Arquivos

SUJEITOS SOCIAIS E PROTEÇÃO SOCIAL

O debate contemporâneo sobre a formação de sujeitos sociais. Sociabilidades, identidades e subjetividades. Interseções de classe, raça, geração e nacionalidade na produção de sujeitos demandantes. Esfera privada e práticas de proteção social primária. Redes sociais, comunidades, famílias e estratégias de sobrevivência. Redes de sociabilidade, política e cidadania. A transição da proteção social primaria para a proteção social secundária.


Bibliografia Básica da Disciplina

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”, Revista Estudos Feministas, ano 10, Florianópolis, 2002.

MOTTA, Daniele. Do universal ao específico: entrelaçando gênero, raça e classe. Cadernos CEMARX, Campinas, n. 11, p. 71-88, 2018.

COLLINS, PatriciaHil. “Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão”, Reflexões e práticas de transformação feminista (org. Renata Moreno), SOF (Coleção Cadernos Sempreviva), 2015.

MEDEIROS, Luciene e FREITAS, Rita. Por onde caminhamos até chegarmos aqui. Apresentação da Revista O Social edm Questão, 2017.

AKOTIRENE, Carla. Entrevista “O que é interseccionalidade” In: https://www.geledes.org.br/o-que-e-interseccionalidade/ Acesso em 20/07/2020.

COLLINS, Patricia Hill. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, inter-seccionalidade e política emancipatória, Patricia Hill Collins. Parágrafo, nº 1, jan-jun, 2017. Disponível em: <revistaseletronicas.fiamfaam.br/in-dex.php/recicofi/article/download/559/506>. Acesso em 10 nov. 2017.

Da Matta, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil, 5 ed, 1997. Capítulo “Cidadania – A questão da cidadania num universo relacional”.

GOMES, Angela Maria de Castro, “Ideologia e Trabalho no Estado Novo”, Repensando o Estado Novo (org. PANDOLFI, Dulce), Rio de Janeiro: FGV, 1999.

SCHWARCZ Lilian e STARLING, Heloisa, M. Brasil, Uma biografia  Companhia das Letras, SP, 2017. Introdução e Posfácio.

REIS, João José. Ganhadores – a greve negra de 1857 na Bahia, São Paulo: Cia das Letras, 2019. Capítulo 3: “Canções, cantos e redes” e Capítulo 15 “Corpos marcados”.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar e a resistência anarquista – Brasil 1890-1930: Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985 Capítulo II “A colonização da mulher”.

THOMPSON, E., Senhores e Caçadores, E., Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1976.

Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto (org. ARRUDA, Heloisa Buarque de Hollanda), Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

SOIHET, Rachel. “A conquista do espaço público”. Nova História das Mulheres no Brasil (org. PINSKY, Carla Bassanesi e PEDRO, Joana Maria), São Paulo: Contexto, 2012.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobias, Estudos Feministas, ano 9, 2001.www.scielo.br.Welzer-Lang

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, n. 22, v. 3, p 935-952, set./dez. 2014.

DAVIS, Angela. Mulher, Raça e Classe. São Paulo: Boitempo,      2016.

ARRUZA, Cinzia, BHATTACHARYA, Tithi e FRASER, Nancy. Feminismo para os 99% – um manifesto, São Paulo: Boitempo, 2019. Páginas 11-22 e 67-123.

PEDRO, Joana Maria. “Corpo, prazer e trabalho”. Nova História das Mulheres no Brasil (org. PINSKY, Carla Bassanesi e PEDRO, Joana Maria), São Paulo: Contexto, 2012.

GREEN, J. N. “Homossexualidades e a História: recuperando e entendendo o passado”, Revista Gênero, n2, 2012, disponível emhttps://periodicos.uff.br/revistagenero/issue/view/1677

ALMEIDA, Guilherme. “‘Homens trans’: novos matizes na aquarela das masculinidades?”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 20(2): 256, maio-agosto/2012.

FACHINI, Regina. “Políticas para “lésbicas” e para “sapatões”: diversidade, diferenças e o enfrentamento ao heterossexismo”, Políticas de enfrentamento ao heterossexismo: corpo e prazer (org. POCAHY, Fernando), Porto Alegre:  NUANCES, 2010.

PELUCIO, Larissa. “Plurais na singularidade – reflexões sobre travestilidades, desejo e reconhecimento”. Políticas de enfrentamento ao heterossexismo: corpo e prazer (org. POCAHY, Fernando), Porto Alegre:  NUANCES, 2010.

FACHINI, Regina, “Entre compassos e descompassos: um olhar para o “campo” e para a “arena” do movimento LGBT brasileiro”, Revista Bagoas, n. 04,  p. 131-158, 2009, disponível emhttp://www.clam.org.br/bibliotecadigital/uploads/publicacoes/entre%20compassos%20e%20descompassos.pdf

BEL hooks. “Mulheres negras: moldando a teoria feminista”, Revista Brasileira de Ciência Política, nº16. Brasília, janeiro – abril de 2015, pp. 193-210.

GONZALES, Lélia, Racismo e Sexismo na Cultura Brasileira, In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244, disponível emhttps://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4584956/mod_resource/content/1/06%20-%20GONZALES%2C%20L%C3%A9lia%20-%20Racismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira%20%281%29.pdf

CARNEIRO, Sueli. “Mulheres em movimento” Estudos Avançados.

LORDE, Audre. Irmã Outsider: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2019. Introdução e Páginas 49-55 e 137-172.

ALMEIDA, Magali da S. Diversidade humana e racismo: notas para um debate radical no serviço social. Revista Argumentum, volume 9, n.1, p.32-45; jan/2017, disponível em http://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/15764/10929.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo

ADICHIE. ChimamandaNgozi. Querida Yeawele – como educar para o feminismo, Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2018.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscara Branca. Salvador: EDUFBA, 2008. Capítulo

ALMEIDA, Magali da Silva. “Desumanização da população negra – genocídio como princípio tático do capitalismo”, Revista Em Pauta, n. 34, 2014, disponível emhttps://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaempauta/article/view/15086

CHALOUB, Sidnei, Medo branco de almas negras – escravos, libertos e republicanos na cidade do Rio de Janeiro in  https://www.anpuh.org/arquivo/download?ID_ARQUIVO=3676.

REIS, João José, Identidade e Diversidade Étnicas nas Irmandades Negras no Tempo da Escravidão, Revista Tempo, disponível emhttps://www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/artg3-1.pdf

KAIGÁNG, Azelene. “Indígenas – Depoimento de uma Militante”, Nova História das Mulheres no Brasil (org. PINSKY, Carla Bassanesi e PEDRO, Joana Maria), São Paulo: Contexto, 2012.

KRENAK, Ailton. Idéias para adiar o fim do mundo, Companhia das Letras, SP, 2020

SILVA, Elizângela Cardoso de Araújo. “Povos indígenas e o direito à terra na realidade brasileira”, Revista Serviço Social e Sociedade, n. 133, São Paulo: ed. Cortez, 2018.

JUNQUEIRA, Carmem e PAGLIARO, Heloisa. “O saber Kamaiurá     sobre a saúde do corpo”, Caderno CRH, Salvador, v. 22, n. 57, Set./Dez. 2009.

AZEVEDIM Marta. “Saúde reprodutiva e mulheres indígenas do Alto Rio Negro”. Caderno CRH, Salvador, v. 22, n. 57, Set./Dez. 2009.

SANTOS, Ebe Campinha dos e MEDEIROS, Luciene Alcinda de. “Violência contra a Mulher, Políticas Públicas de Gênero e Controle Social: a construção do I Plano Municipal de Políticas para as Mulheres de Duque de Caxias”. Cadernos de Segurança Pública, Ano 9, Número 09, novembro de 2017 | www.isp.rj.gov.br.

CLAPP SALVADOR, Andréia. “O papel protagonista do PréVestibular para Negros e Carentes (PVNC) nas políticas afirmativas – a experiência da educação superior brasileira”, Revista EM PAUTA, Rio de Janeiro, n. 45, v. 18,1. Semestre de 2020.

OLIVEIRA, M. J. D.,  Diversidade sexual, políticas públicas e direitos humanos: saúde e cidadania LGBT em cena, Revista Temporalis, Brasília (DF), ano 14, n. 27, p. 77-98, jan./jun. 2014; disponível emhttps://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/7209

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da Diferença. Tempo Social; Rev. Social. USP, S. Paulo, VOLUME 1, 1990.

PATEMAN, Carole. “Garantir a cidadania das mulheres: A indiferença e outros obstáculos”, Revista Crítica de Ciências Sociais, [Online], 89, 2010.

ALMEIDA, Guilherme. Superando o politicamente correto: notas sobre o sexto princípio fundamental do Código de Ética do/a Assistente Social. In: CRESS (Org.). Projeto ético político e exercício profissional em serviço social: os princípios do código de ética articulados à atuação crítica de assistentes sociais. Rio de Janeiro: CRESS, 2013. p. 74-86.

ALMEIDA, Magali da Silva. Exercício do Serviço Social sem ser discriminado, nem discriminar, por questões de inserção de classe social, gênero, etnia, religião, nacionalidade, opção sexual, idade e condição física. In: CRESS (Org.). Projeto ético político e exercício profissional em serviço social: os princípios do código de ética articulados à atuação crítica de assistentes sociais. Rio de Janeiro: CRESS, 2013. p. 136-148.

Copyright 2021 - STI - Todos os direitos reservados