Notícias

Arquivos

BANCA PÚBLICA: DEFESA DE DOUTORADO

09 de outubro de 2020 – 18h

Via Google Meet: meet.google.com/kxf-siqe-iye

 Wilma Lúcia Rodrigues Pessôa

 “ENCARCERAMENTO E GENOCÍDIO DE JOVENS NEGROS: FACES DO RACISMO NO BRASIL”

Banca:
Profª. Drª. Nivia Valença Barros – UFF (Orientadora);
Profª. Drª. Lobelia da Silva Faceira – UNIRIO (1ª Examinadora);
Prof. Dr. José Nilton de Sousa – UFF (2º Examinador);
Profª. Drª. Celeste Anunciata Dias Moreira – UNIRIO (3ª Examinadora);
Profª. Drª. Josélia Ferreira Reis – JFRJ (4ª Examinadora).
Profª. Drª. Rita de Cassia Santos Freitas  – UFF (Suplente).
Profª. Drª. Maria Euchares de Senna Motta – PUC RIO (Suplente).

CHAMADAS PARA DOSSIÊS TEMÁTICOS DA REVISTA GÊNERO

A Revista Gênero comunica que se encontra aberta a submissão de artigos para o dossiê temático Gênero, Política Social e Serviço Social. O processo de institucionalização dos estudos de gênero no Brasil, no âmbito das Ciências Humanas, data do final dos anos de 1970, concomitantemente ao fortalecimento do movimento feminista no país. A incorporação da perspectiva de gênero por diferentes áreas do conhecimento e, consequentemente, pelas políticas sociais públicas contribuiu para deslocamentos conceituais, problematizações epistemológicas e visibilidade de temas e segmentos sociais que não estavam na ordem do conhecimento acadêmico.

Ademais, os estudos de gênero congregam um conjunto de conhecimentos capazes de explicitar a organização da vida social e as relações de poder que atravessam as formações sociais e políticas. No atual cenário de fortalecimento do neoconservadorismo, com ataques e retrocessos às conquistas no campo do gênero, da sexualidade, e da reparação social a negros(as), povos tradicionais, mulheres, população LGBTQI+, simultaneamente a um desmonte da Seguridade Social e a focalização da proteção social na extrema pobreza, projetar pesquisas e trabalhos desenvolvidos nesse campo temático é resistir e reafirmar uma produção de conhecimento comprometida com a equidade de gênero e políticas sociais públicas.

Nesse sentido, a transversalidade de gênero se impõe como responsabilidade dos governantes sobre a desigualdade de gênero, resultante dos acordos internacionais dos anos de 1990, e estratégia de incorporação do princípio de gender mainstreaming pelos Estados. No contexto das políticas para mulheres em âmbito mundial, esta estratégia prevê a incorporação da perspectiva de gênero em todas as áreas de políticas públicas, com a finalidade de melhorar as condições de vida e o status das mulheres. Porém, ao analisar políticas públicas e programas governamentais a partir da perspectiva de gênero, pretende-se ir além da identificação de políticas e programas que atendam as mulheres.

O Serviço Social tem se aproximado dessa questão ao constatar que novas relações de gênero exigem políticas públicas que incorporem a interseccionalidade e a equidade de gênero: políticas de ações afirmativas, políticas para neutralizar a violência contra as mulheres, contra a população LGBTTs; mudanças no sistema de cotas e benefícios específicos para mulheres pobres, trabalhadoras, indígenas, negras, prostitutas, mulheres e meninas em situação de rua e destituídas de seus direitos mínimos. É no espaço da esfera pública que serão delineadas propostas de políticas com estas perspectivas.

Pretende-se, portanto, com este Dossiê criar um espaço de discussão plural sobre as pesquisas e experiências profissionais desenvolvidas que utilizem a leitura interseccional para refletir sobre as diferentes categorias de opressão – gênero, raça/etnia, classe, gerações e sexualidades – na produção de conhecimento do Serviço Social. Indicam-se como eixos para pensar o entrecruzamento de matrizes de opressão nas políticas sociais as questões de trabalho, sexualidades, violências de gênero e família, genocídio e extermínio da população negra e antirracismos.

O contato do Serviço Social com o debate de gênero não é recente. As primeiras aproximações ocorreram na década de 1980 com a participação de docentes e profissionais na militância feminista e no contato com os estudos sobre mulheres. Esse processo contribuiu, posteriormente, para a criação dos primeiros grupos de pesquisa e projetos de extensão sobre o tema, bem como a inserção desse conteúdo em disciplinas, de forma transversal, em algumas unidades de ensino. Na década de 1990, a questão foi inserida no nosso Código de Ética e a Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS) reconheceu a importância do debate para a formação profissional ao incluí-lo nas diretrizes curriculares. Contudo, tal temática só ganhou maior visibilidade no Serviço Social nos últimos anos. Assim, a discussão sobre gênero, a partir de diferentes perspectivas teóricas, passou a integrar as pesquisas, a grade curricular dos cursos de graduação em disciplinas obrigatórias ou eletivas e o campo da intervenção profissional. Ademais, o conjunto Conselho Federal de Serviço Social e Conselhos Regionais de Serviço Social (CFESS/CRESS) começou a adotar ações que abordam a temática, como a criação de grupos de trabalho, campanhas e divulgação de materiais. Não obstante tais iniciativas, ainda observam-se lacunas e a necessidade de avançar na produção do conhecimento essa questão. 

Nesse sentido, com vistas a contribuir para a ampliação da discussão acerca das relações de gênero no Serviço Social, a revista Gênero organiza o dossiê temático “Gênero e Serviço Social nos Mundos do Trabalho”. Serão recebidos trabalhos realizados por meio de pesquisas empíricas e teóricas, bem como relatos de experiências que tratam dos seguintes temas: história da formação profissional e sua inserção na divisão sociotécnica e sexual do trabalho; perspectivas teóricas de análise sobre gênero e mundo do trabalho; mercado de trabalho profissional; feminização da pobreza: impactos para a prática profissional; campanhas das entidades representativas do Serviço Social sobre a questão de gênero e o mundo do trabalho; mundo do trabalho, “profissões femininas” e masculinidades; exames de biografias de profissionais a partir da perspectiva de gênero: trajetórias no mundo do trabalho; impactos da pandemia do COVID-19 na profissão e na inserção das mulheres e dos homens no mundo do trabalho; etc. Sugere-se que a perspectiva interseccional, a qual busca relacionar os diversos marcadores da diferença e da desigualdade – classe, raça/etnia, orientação sexual, identidade de gênero, regionalidade e geração – seja contemplada nas reflexões abordadas.

CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA DE POLÍTICAS PÚBLICAS

TEMA: POLÍTICAS PÚBLICAS EM TEMPOS DA PANDEMIA DE COVID-19: dinâmicas. contradições e enfrentamentos em defesa da vida e dos direitos

Comunicamos que se encontra aberta a chamada de trabalhos para publicação no v. 25, n.1 (janeiro/junho 2021) da RPP, periódico científico do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Maranhão. Serão publicados, nesse número, trabalhos inéditos: artigos, ensaios, resenha e entrevista no âmbito do tema: “POLÍTICAS PÚBLICAS EM TEMPOS DA PANDEMIA DE COVID-19: dinâmicas, contradições e enfrentamentos em defesa da vida e dos direitos.”, escolhidos dentre aqueles recebidos de pesquisadores de instituições nacionais e estrangeiras.

Os ensaios e artigos submetidos à RPP, cujo prazo final é o dia 21 de Dezembro de 2020, serão previamente avaliados por pareceristas ad hoc convidados pela Comissão Editorial da Revista. A entrevista e a resenha serão encomendadas pela Comissão Editorial que considerará pesquisadores de renome nacional e internacional da temática, podendo acatar sugestões.

Além de trabalhos sobre a temática específica do v. 25, n.1, serão publicados, na sessão Temas Livres, artigos e ensaios sobre outras temáticas que se situem no campo das Políticas Públicas, recebidos mediante fluxo contínuo.

As normas de elaboração, apresentação e critérios de aceitação de trabalhos devem ser consultadas no endereço http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica

Webinário: Propostas para o Parlamento incluir mulheres na resposta à crise da COVID-19: políticas macroeconômicas para a proteção dos empregos das mulheres

Seminário virtual vai tratar de políticas macroeconômicas para a proteção dos empregos das mulheres. E contará com a presença da profa. Dra. Pereira de Melo Hermes de Araújo.

A Secretaria da Mulher promove hoje, em parceria com a ONU Mulheres, o seminário virtual “Propostas para o Parlamento incluir mulheres na resposta à crise da Covid-19: políticas macroeconômicas para a proteção dos empregos das mulheres”.

A conversa ao vivo trará a contribuição de gestoras, pesquisadoras e especialistas da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que vão falar das propostas para melhorar a vida das mulheres no mundo do trabalho diante da pandemia de Covid-19.

O debate será transmitido do plenário 3, a partir das 15 horas. O público poderá participar do debate pela internet.Também será possível acompanhar do debate do Canal no YouTube da Secretaria da Mulher.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Bolsas de estudo – Fundação Konrad Adenauer

A Fundação Konrad Adenauer está com um programa de bolsas para estudantes brasileiros no Brasil R$ 2.000 mensais por um ano.

Os temas da dissertação devem estar relacionados a uma destas áreas: educação política, descentralização e desenvolvimento sustentável, democracia e direitos humanos, relações internacionais, defesa e segurança internacional.

As inscrições vão até dia 21 de junho.”

Confira todas as informações em: https://www.kas.de/pt/web/brasilien/kas-stipendien

CHAMADA DE TRABALHOS PARA COMPOSIÇÃO DE OBRA COLETIVA

No âmbito das atividades previstas no projeto “Expectativas e visões de futuro do jovem morador de favelas e periferias”, desenvolvido na UFF, lançamos chamada publica para composição da obra “Juventude, Sexualidade e Periferia”.

A obra tem como objetivo estimular o debate acadêmico acerca das configurações atuais que envolvem o devir material e subjetivo dos jovens moradores de áreas pobres e periféricas no Brasil, com especial atenção para a questão da sexualidade.

Não será solicitada dos autores qualquer contribuição material.

A publicação será destinada a distribuição inteiramente gratuita, priorizando os acervos de bibliotecas de universidades públicas e ONGs dedicadas ao tema. Portanto, não caberá aos autores qualquer remuneração referente a direitos autorais.

Cada autor receberá 02 exemplares da obra.

Cada autor poderá submeter somente 01 artigo, permitida a participação de até 3 coautores.

Os artigos enviados serão avaliados pela coordenação do projeto que poderá aceitar ou não aceitar a incorporação dos mesmos ao livro.

Serão selecionados entre 10 e 15 trabalhos.

O cronograma inicial prevê a publicação do livro no mês de dezembro de 2020.

DA FORMATAÇÃO DOS TRABALHOS

• Título em caixa alta, fonte times new roman, tamanho 12, justificado, espaçamento simples. Inserir nota de rodapé informando se o trabalho decorre de pesquisa ou projeto de extensão.
• Abaixo do título, indicação do(s) autor(es), fonte times new roman, tamanho 12, alinhamento à direita. Inserir nota de rodapé, com a qualificação do autor, vínculo institucional, e-mail e link do CV Lattes.
• Texto com 15 páginas – fonte times new roman, tamanho 12, justificado, espaçamento 1,5.
• Devem ser seguidas as normas da ABNT (obrigatórias) e citações no sistema AUTOR- DATA.
• Prazo para encaminhamento dos artigos: 10 de setembro de 2020.
(Encaminhar o texto em arquivo WORD com sobrenome dos autores para
claudiavpimentel@gmail.com,com cópia para andre_brandao@id.uff.br com o ASSUNTO: CHAMADA EXPECTATIVAS).

Debate: Desafios da Saúde Pública em Tempos de Pandemia com Hermano Castro

Prezados(as), 

Segue o convite para o debate abaixo:

Debate: Desafios da Saúde Pública em Tempos de Pandemia com Hermano Castro (Doutor em Saúde Pública pela Fiocruz. Pesquisador titular da Fiocruz e diretor da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz). 

Dia e hora do evento online: 25 de maio de 2020 (segunda-feira) das 14h às 15h 30 min.

Necessária inscrição pelo link: https://forms.gle/HzpJc6KvEDoRorz19

Debate realizado via Google Meet (no dia 25 enviaremos o link por e-mail para o acesso).

Organizadora: Kamila Teixeira (Programa de Estudos Pós-Graduados em Política Social – UFF)

Comunicado – suspensão início das aulas

Considerando a INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PROGEPE Nº 004, de 13 de março de 2020;

A coordenação do Programa De Estudos Pós-Graduados em Política Social,

Informa que (i) estão suspensas as aulas deste PPGPS até o dia 14 de abril de 2020 ou outra data a ser determinada pela UFF, bem como que (ii) atendimentos e solicitações necessárias devem ser realizadas por e-mail e formulários contidos neste site, já que estaremos em trabalho remoto.

Contudo destacamos e informamos que, como medida excepcional, a critério desta coordenação, será garantido atendimento presencial devidamente agendado, por e-mail, a quem necessitar.

Orientamos que alunos aproveitem esse período de suspensão das aulas para produzirem e organizarem as atividades programadas.

Atenciosamente,

[Seleção 2020] Resultado Final – Mestrado

A Coordenação do Programa de Estudos Pós-Graduados em Política Social da Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense torna pública a homologação das inscrições para o curso de Mestrado Acadêmico em Política Social:

Resultado Final

[SELEÇÃO 2020] Inscrições Homologadas – Curso de Especialização em análise de políticas para a população negra


O Colegiado do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Análise de Políticas para a População Negra faz saber que, em razão da ausência de energia elétrica no Campus do Gragoatá da UFF, as inscrições foram homologadas apenas no dia 7 de janeiro de 2020.

Inscrições Homologadas

Copyright 2020 - STI - Todos os direitos reservados