Notícias

Arquivos

RELAÇÕES DE GÊNERO, ORIENTAÇÃO SEXUAL E POLÍTICA SOCIAL

Debate teórico sobre as relações de gênero: diferentes perspectivas. Masculinidades e feminilidades contemporâneas. Diferenças de condições de vida entre homens e mulheres. Debate teórico sobre orientação sexual: diferentes perspectivas. Homossexualidades contemporâneas: representações e condições de vida. Movimentos sociais, gênero e orientação sexual. Gênero e orientação sexual na agenda da política social.


Bibliografia Básica da Disciplina

ALMEIDA, Miguel V de. Senhores de si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século Edições, 1995.
ANJOS, G. Identidade sexual e identidade de gênero: subversões e permanências. Sociologias, n.4, 2000.
ARILHA, M. et all. Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS/Ed. 34, 1998.
ARAÚJO, C. Marxismo, feminismo e o enfoque de gênero. Crítica Marxista, n.11, 2000.
______. Partidos políticos e gênero: mediações nas rotas de ingresso das mulheres na representação política. Revista Sociologia Política, n.24,2005.
ALTMANN, H. Educação sexual e primeira relação sexual: entre expectativas e prescrições. Revista Estudos Feministas, vol.15, n.2, 2007.
BADINTER, E. Um é o outro: relações entre homens e mulheres. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.
________. Sobre a identidade masculina. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.
________. Um amor conquistado. O mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
BATISTA, L. E. Masculinidade, raça/cor e saúde. Ciência e saúde coletiva, vol.10, n.1, 2005.
BIRMAN, P. Transas e transes: sexo e gênero nos cultos afro-brasileiros, um sobrevôo. Revista Estudos Feministas, vol.13, n.2, 2005.
BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.
BUSTAMANTE, V. Ser pai no subúrbio ferroviário de Salvador: um estudo de caso com homens de camadas populares. Psicologia em estudo, vol.10,n.3, 2005.
BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
BRAZ, C. A de. Macho versus Macho: um olhar antropológico sobre práticas homoeróticas entre homens em São Paulo. Cadernos Pagu, n.28, 2007.
BRUMER, A. Previdência social rural e gênero. Sociologias,n.7, 2002.
CALIFIA, P. Public sex. The culture of radical sex. Pittsburgh: Ceis Press, 1994.
CARLOTO, C. M. Metodologia de avaliação de políticas sociais: a inclusão da perspectiva de gênero. Revista Ser Social, 14ªed, 2004
CHARTIER, R. Diferenças entre os sexos e dominação simbólica (nota crítica). Cadernos Pagú, n. 4, 1995.
CHAUNCEY, G. Gay New York. Gender, urban culture, and the making of the gay male world – 1890-1940. New York: Basic Books, 1994.
CAMBOTA, J. N. e PONTES, P. A. Desigualdade de rendimentos por gênero intra-ocupações no Brasil, em 2004. Revista Economia.Contemporânea, vol.11, n 2, 2007.
CONNELL, R. W. La organización social de la masculinidad. In: VALDÉS, T. e OLAVARIA, J. eds. Masculinidad/es. Poder e crisis. Santiago, Chile: Ediciones de las Mujeres. n. 24, 1997.
COMEGNO, M. C. SPMulheres em dados. São Paulo em Perspectiva,vol.17, n.3-4, 2003.
DEERE, C. D. e LÉON, M. Diferenças de gênero em relação a bens: a propriedade fundiária na América Latina. Sociologias, n.10, 2003.
DIAS, M. O. L. da S. Teoria e método dos estudos feministas: Perspectiva histórica e hermenêutica do cotidiano. In: COSTA, A. de O.; BRUSCHINI, C. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992.
DUYVENDAK, J.W. The depoliticization of the dutch gay identity, or why dutch gays aren’t queer. In SEIDMAN, S. Queer Theory/Sociology. Cambridge-MA: Blackwell Publishers, 1994.
FRAISSE, G. La controverse des sexes. Paris: Quadrigue/PUF, 2001.
GIDDENS, A. Sexualidade, Amor e Erotismo nas Sociedades Modernas. São Paulo: UNESP, 1993.
GOMES, R. A construção social da masculinidade. Cadernos Saúde Pública, Maio, vol.22, n.5, 2006.
COSTA, S. G. Alice por Alice. As amarras femininas em O Tronco do Ipê. Tempo vol. 5, n. 9, 2000.
______.Das desventuras de ser doutora. Espaço Feminino. n. 15, 2004.
______.Gênero e História. In: ABREU, M. e SOIHET, R. (orgs.). Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.
FOLTRAN, P. Saúde reprodutiva e saúde da mulher: a participação das parteiras tradicionais nas políticas públicas. Ser Social, 16ªed, 2005.
GÓIS, J. B. H. Olhos e Ouvidos Públicos Para Atos Quase Privados: a constituição de uma percepção da homossexualidade como doença. Caderno Espaço Feminino v.07, n.01, 1999/2000.
_____. A Conservadorização do Discurso Anti-AIDS nos Estados Unidos – anos 90. Revista Serviço Social e Sociedade, n. 58, 1998.
GREEN, J. Mais amor e mais tesão: a construção de um movimento brasileiro de gays, lésbicas e travestis. Pagu, São Paulo,n 15, 2001.
_____. Para Além do Carnaval. São Paulo: UNESP, 2000
GUERRIERO, I; AYRES, J. R. e HEARST, N. Masculinidade e vulnerabilidade ao HIV de homens heterossexuais, São Paulo, SP. Revista Saúde Pública, vol.36, n.4, 2002.
GUIMARÃES, N. A. Quando a indústria se transforma: atores locais e políticas subnacionais de eqüidade de gênero e raça. São Paulo em Perspectiva, vol.18, n.4, 2004.
HANSEN, B. American physician’s discovery of homosexuals, 1880-1990: a new diagnosys in a changing soceity”. In ROSENBERG, C. e GOLDEN,
J.(eds.). Framing disease. studies in cultural history. New Brunswick: Rutgers Unversity Press, 1997.
HEILBORN, M. L. Ser ou estar homossexual: dilemas de construção de identidade social. In PARKER, R. e BARBOSA, R. Sexualidades brasileiras. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1996.
JACINTO, P. de A. Diferenciais de salários por gênero na indústria avícola da região Sul do Brasil: uma análise com micro dados. Revista Econômica Sociologia Rural,vol.43, n.3, 2005.
LEOCÁDIO, E. M. A. Aborto: um problema social em debate no Brasil- entre a moral, o direito e a política pública. Ser Social, 16ªed, 2005.
MACRAE, E. O militante homossexual no Brasil da abertura. Tese de Doutorado. 2 vols. USP, 1985.
MCCALLUM, C. Travesti: sex, gender and culture among Brazilian transgendered prostitutes. Mana, vol.5, n.1, 1999.
MCLAREN, A. The trials of masculinity. Policing sexual boundaries 1870-1930. Chicago: University of Chicago Press, 1997.
MIGUEL, L. F. e QUEIROZ, C. M. de. Diferenças regionais e o êxito relativo de mulheres em eleições municipais no Brasil. Revista Estudos Feministas, vol.14, n.2, 2006.
MOTT, L. Escravidão e homossexualidade. In. VAINFAS, R. (org.). História e Sexualidade no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1986.
NASCIMENTO, E. F. do. Violência e estilos de masculinidade: violência, cultura e poder. Ciência e saúde coletiva, vol.10, n.1, 2005.
NEVES, M. de A e PEDROSA, C. M. Gênero, flexibilidade e precarização: o trabalho a domicílio na indústria de confecções. Sociedade e Estado,vol.22, n.1, 2007.
NICHOLSON, L. Interpretando o gênero. Estudos Feministas, vol.8, n. 2 , 2000.
NOLASCO, S. De Tarzan a Homer Simpson. Banalização e violência masculina em sociedades contemporâneas. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.
PARINI, L. Le système de genre. Introduction aux concepts et théories. Zurich: Éditions Seismo, 2006.
PASINATO, W. Questões atuais sobre gênero, mulheres e violência no Brasil. Revista Praia Vermelha: Estudos de Política e Teoria Social, ed. 14e15, 2006.
PELÚCIO, L. Na noite nem todos os gatos são pardos: notas sobre a prostituição travesti. Cadernos Pagu, n.25, 2005.
PERROT, M. et all. A História das mulheres. Cultura e poder das mulheres. Um ensaio de Historiografia. Gênero. Tradução de SOIHET, R; SOARES, R.M.A.e COSTA, S. G. Niterói, v. 2, n.1, 2001.
______. e DUBY, G. (org). História das mulheres no ocidente. Porto: Ed. Afrontamento; São Paulo: Ebradil. vols. 1-5, 1991.
PIERUCCI, A. F. Ciladas da diferença. São Paulo: Editora 34, 1999.
PONTES, H. A burla do gênero: Cacilda Becker, a Mary Stuart de Pirassununga. Tempo Social,vol.16, n.1, 2004.
RIBEIRO, M. O feminismo em novas rotas e visões. Revista Estudos Feministas,vol.14, n.3, 2006.
ROSEMBERG, F. Educação formal, mulher e gênero no Brasil contemporâneo. Estudos feministas, vol 9, n. 2, 2001.
RUBIN, G. The traffic of women. In: REITER, R.R. (org.). Toward and Anthropology of Women. Nova York: Monthly Review Press, 1975.
SADOWNICK, D. Sex Between Men. San Francisco: Harper, 1996.
SALIM, C. A. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo em Perspectiva, vol.17, n.1, 2003.
SCOTT, J. W. A Cidadã paradoxal. As feministas francesas e os direitos do homem. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2002.
_______. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Recife: SOS Corpo, 1991.
_______. La querelle des femmes no final do século XX. Estudos Feministas. vol. 9, n. 2, 2001.
_______. O enigma da igualdade. Revista Estudos Feministas, vol.13, n.1, 2005.
_______. Parité! L?Universel et la différence des sexes.Paris: Éditions Albin Michel, 2005.
SILVA, H. Certas cariocas. Travestis e vida de rua no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1996
SILVA, H. e FLORENTINO, C. de O. A Sociedade dos travestis: espelhos, papéis e interpretações. In PARKER, R. e BARBOSA, R (orgs.). Sexualidades Brasileiras. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1996.
SOUZA, E. Transexualidade. O corpo em mutação. Salvador: Editora Grupo Gay da Bahia, 1999.
TORRÃO, A. F. Uma questão de gênero: onde o masculino e o feminino se cruzam. Cadernos Pagu, n.24, 2005.
TREVISAN, S. Devassos no paraíso. A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. Rio de Janeiro: Record, 2000.
WELZER-LANG, D. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feminista, vol.9, n.2, 2001.

Copyright 2020 - STI - Todos os direitos reservados