Notícias

Arquivos

FAMÍLIAS, REDES SOCIAIS E POLÍTICA SOCIAL

Famílias e redes sociais: diferentes concepções. Famílias e redes sociais: dinâmicas, configurações, funções e impactos. Famílias, redes sociais e mudanças sociais. Famílias, Redes sociais e formas de proteção social primária. O lugar da família e das redes sociais na formulação e implementação de políticas sociais. Famílias, redes sociais e práticas profissionais.


Bibliografia Básica da Disciplina

ACOSTA, A. R.; VITALE, M. A. F. (orgs). Famílias, redes, laços e políticas públicas. 3º ed. São Paulo: Cortez,2004.
ALMEIDA, A. M. de (org.). Pensando a família no Brasil: da colônia à modernidade, Rio de Janeiro: Espaço e Tempo/Editora da UFRRJ, 1987.
AMUEDO-DORANTES, C. et. all. Social networks and their impact on the earnings of mexican migrants. Demography, vol. 44 , n. 4, 2007.
ANDERSEN, C. S. A Família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. 4ª ed. São Paulo: Cortez,2003.
ARÍES, P. História social da criança e da família, 2ªed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1981.
BARBOSA, M. T. S.; BYINGTON, M. R. L. e STRUCHINER, C. J. Modelos dinâmicos e redes sociais: revisão e reflexões a respeito de sua
contribuição para o entendimento da epidemia do HIV. Cadernos de Saúde Pública, v.16, suplemento.1, 2000.
BARROS, M. M. L. de. Autoridade e afeto: avós, filhos e netos na família brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987.
BOCK, G. Pobreza feminina, maternidade e direitos das mães na ascensão dos Estados-providência (1890-1950). In PERROT, M. e DUBY,
G.História das mulheres no Ocidente. Porto: Afrontamentos; São Paulo: Ebradil, vol. 5, 1991.
BOTT, E. Família e rede social. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.
BOYD, D.M. e ELLISON, N.B. Social network sites: definition, history, and scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, vol. 13, n. 1,
2007.
CAMPOS, C. E. A. e CARGIA, J. Contribuições para a supervisão dos programas sociais com foco na família. Revista Katalisys, vol. 10, n 1,2007.
CAMPOS, M. S. e MIOTO, R. C. T. Política de assistência social e a posição da família na política social brasileira. Revista Ser Social, vol. 12, 2003.
CANÊDO, L. B. As metáforas da família na transmissão do poder político: questões de método. Cadernos. CEDES, v.18 n. 42, 1997.
CANNEVACCI, M.Dialética da Família. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1987.
CARLOTO, C. M. Gênero, políticas públicas e centralidade na família. Revista Serviço Social e Sociedade, vol. 86, 2006.
CARVALHO, M. do C. B. de. (org). A família contemporânea em debate. São Paulo: Cortez/EDUC, 1995.
CARVALHO, A. M. A. et all. Vínculos e redes sociais em contextos familiares e institucionais: uma reflexão conceitual. Psicologia e estudos, vol.11,
n.3, 2006.
CERQUEIRA, M.; FIGUEIREDO, D.; MATOS, A.; PIRES, S. e SOUZA, L. Os problemas das famílias multiproblemáticas: comparação da perspectiva dos profissionais e das próprias famílias. Revista Serviço Social e Sociedade, vol.76, 2003.
___________. Retratos da vida das famílias multiproblemáticas. Revista Serviço Social e Sociedade, vol.80, 2004.
COSTA, J. F. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1989.
DESSEN, M. A. e BRAZ, M. P. Rede social de apoio durante transições familiares decorrentes do nascimento de filhos. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, vol. 16 n. 3, Brasília, 2000.
DONZELOT, J. A Polícia das Famílias. Rio de janeiro: Graal, 1986.
ERICKSON, G.D. A Framework and themes for social network intervention family process, vol.23, n. 2, 1984.
FERNANDEZ, C. B. e GUIMARÃES, J. F. O. Redes de assistência social. Ser Social, 16ªed, 2005.
FONSECA, A.M.M. Família e política de renda mínima. São Paulo: 2002.
FONTES, A. S. Sobre a sustentabilidade das associações voluntárias em uma comunidade de baixa renda. Tempo social. vol.15, n.1, 2003.
FRANCO, A. A. de P. Instituição do programa família de apoio na direção de política pública de acolhimento. Revista Serviço Social e Sociedade, vol.83, 2005.
FREITAS, R. de C. S. Mães em luta: reflexões sobre um novo tema. Revista Gênero, vol. 2, n. 1, 2000.
FREYRE, G. Sobrados e Mocambos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1961.
______. Casa-Grande e Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2005.
GAYEN, K. et. all. Social networks, normative influence and health delivery in rural Bangladesh. Social Science & Medicine, vol. 65 n. 5, 2007.
GIDDENS, A. Transformações na intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora da Unesp, 1993.
GÓIS, J. B. H. Família e Proteção Social no Serviço Social – Revisitando a História Profissional. (Dissertação de Mestrado), UFRJ, 1993.
GOLD, S. Gender, class, and network: social structure and migration patterns among transnational Israelis.Global Networks, vol. 1, n.1 2001.
GOLDANI, A. M. Retratos de família em tempos de crise. Revistas Estudos Feministas n. especial, 1994.
GOMES, L. G. N. e SILVA JÚNIOR, N. Experimentação política da amizade: alteridade e solidariedade nas classes populares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, vol.23, n.2, 2007.
GUEDES, S. A concepção sobre família na geriatria e na gerontologia brasileira: ecos dos dilemas da multidisciplinaridade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 43, v. 15, 2000.
GUEIROS, D. A. Família e proteção social: questões atuais e limites da solidariedade familiar. Revista Serviço Social e Sociedade, vol.71, 2002.
_______. e OLIVEIRA, R. de C. S. Direito à convivência familiar. Revista Serviço Social e Sociedade, vol. 81, 2005.
HAWKINS, R. L. et all Disappearing acts: the social networks of formerly homeless individuals with co-occurring disorders. Social Science & Medicine, vol. 65, n. 10, 2007.
KALOUSTIAN, S. A família brasileira – a base de tudo. São Paulo: Cortez, 1994.
KIM, Y. T. Korean Elites: social networks and power. Journal of Contemporary Asia, vol. 37 n. 1, 2007.
KOHLER, H. P. et all. Social networks and HIV/AIDS risk perceptions. Demography v. 44 no. 1, 2007.
LARROUSSI, M. V. Les nouveaux paternariats famille école au Quebec: l´exteriorité comme stratégie de survie des familles défavorisiées? Revue Internationale et interdistiminaire der sciences humainer, n. 35, 1996.
LEFAUCHEUR, N. Maternidade, família, estado, história das mulheres no ocidente. PERROT, M. e DUBY, G.(org.). Porto: Afrontamentos; São Paulo: Ebradil, vol. 5, 1991.
LOMBE, M. et all. The role of informal social networks in micro-savings mobilization. Journal of Sociology and Social Welfare, vol. 34, n. 3, 2007.
LOPES, J. R. Das famílias ‘desestruturadas’ às famílias ‘recombinadas’: transição, intimidade e feminilidade, Serviço Social e Sociedade, n. 46, São Paulo, 1994.
MACIEL, C. A. B. A família na Amazônia: desafios para a assistência social. Revista Serviço Social e Sociedade, vol.71, 2002.
MARTELETO, R. M. Análise de redes sociais. aplicação nos estudos de transferência da informação. Revista Ciência e Informação, vol. 3, n. 1, Brasília. 2001.
MARTIN, S. Redes sociais e flexibilidade do trabalho: uma análise comparativa. Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho. ano 3, n. 6, 1997.
MARQUES, E. C. Redes sociais e poder no Estado brasileiro: aprendizados a partir de políticas urbanas. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol.21, n.60, 2006.
_______. Redes sociais e instituições na construção do Estado e da sua permeabilidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol.14, n.41, 1999.
MIOTO, R.C.T. Família e serviço social – contribuições para o debate. Serviço Social e Sociedade, n. 55, ano XVIII, 1997.
MONTALI. L. Família e trabalho na reestruturação produtiva: ausência de políticas de emprego e deterioração das condições de vida. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.15 n.42,2000.
MOTTA, M. A. P. Mães abandonadas: a entrega de um filho em adoção. São Paulo:Cortez, 2002.
NEAL, J. W. Why social networks matter: A structural approach to the study of relational aggression in middle childhood and adolescence. Child & Youth Care Forum vol. 36 n. 5/6,2007.
NOVELLINO, M. S. F. et all. Chefia feminina de domicílio como indicador de feminização da pobreza e políticas públicas para mulheres pobres.
Seminário As famílias e as políticas públicas no Brasil. Belo Horizonte, 2005.
NUNES, S. A. A medicina social e a questão feminina. Physis, vol. 1, n.1, 11991.
OLIVER, M. L. The urban black community as network: toward a social network perspective. The Sociological Quarterly. The Sociological Quarterly, vol. 29, n. 4, 1988.
PEIXOTO, C. et all (org). Família e individualização. Rio de Janeiro: FGV, 2000.
PERRY, B. L. Understanding social network disruption: The case of youth in foster care. Social Problems, vol. 53, n. 3, 2006.
QUINTAS, F. A mulher e a família no final do século XX, Recife: FJN Ed./Massangana, 2000.
RADOMSKY, G. and SCHNEIDER, S. Nas teias da economia: o papel das redes sociais e da reciprocidade nos processos locais de desenvolvimento. Sociedade e Estado. vol.22, n.2, 2007.
ROBLES, L.; RIZO, G. C. e CAMARENA, L. M. G et al. Redes y apoyo social en ancianos enfermos de escasos recursos en Guadalajara, México. Cadernos de Saúde Pública, vol.16 n. 2, 2000.
ROSA, L. C. dos S. Famílias: uma experiência em grupo. Revista Serviço Social e Sociedade, vol.71, 2002.
SALES, M. A. et all . Política social, família e juventude: uma questão de direitos. São Paulo: Cortez, 2004.
SARTI, C.A. Valor da família para os pobres. In Família em processos contemporâneos: inovações culturais na sociedade brasileira. São Paulo: Ed. Loyola, 1995.
______. A família como espelho. Um estudo sobre a moral dos pobres. São Paulo: Autores Associados, 1996.
SILVA, L. M. M. R. Serviço social e família. A legitimação de uma ideologia. São Paulo:Cortez, 1982.
TELLES, V. A cidadania inexistente: incivilidade e pobreza. Um estudo sobre trabalho e família na grande São Paulo: (Tese de Doutorado) USP, 1992.
TOGNETTA, L. R. P. e ASSIS, O. Z. M. A construção da solidariedade na escola: as virtudes, a razão e a afetividade. Educação e Pesquisa, vol.32, n.1, 2006.
TORKELSSON, A. Resources, not capital: a case study of the gendered distribution and productivity of social network ties in rural Ethiopia. Rural Sociology, vol. 72 n. 4, 2007.
TSUKASHIMA, R. T. Ethnic-collective action, intergroup competition and social networks: Formation of ethnic-trade guilds. Ethnic and Racial Studies,
vol. 30, n. 5, 2007.
VAITSMAN, J. Flexíveis e plurais: identidade, casamento e família em circunstâncias pós-modernas. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
VELLASCO, I. A. As redes de solidariedade da cor: o caso dos compadres Manoel e Lauriano. História, vol.25, n.1, 2006.
VITALE, M. A. F. Famílias monoparentais: indagações. Serviço Social e Sociedade, n. 71, 2002.
WARNER, J. Mães que trabalham: a loucura perfeita. A maternidade na era da ansiedade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2
WOLFE, A.W. Social network analysis: methods and applications american ethnologist, vol.24, n. 1, 1997.
WOORTMANN, K. A família das mulheres. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1987.

Copyright 2020 - STI - Todos os direitos reservados